COE - Centro de Ortopedia Especializada © 2018

Criado por Plena Estratégias Criativas

Diretor Técnico: Dr. Thiago Caixeta - CRM-GO 13291 / RQE 8070 - Médico Ortopedista e Traumatologista.


 

Dor no ombro e braço: tendinopatia do manguito rotador

August 10, 2018

Foi levantar algum objeto e sentiu dor no ombro? Pode ser sinal de tendinopatia, uma lesão no manguito rotador, nome dado ao conjunto de quatro tendões, com seus respectivos músculos, que se localizam nessa região. A integridade desses tendões é fundamental para o bom funcionamento, pois são eles que nos permitem levantar objetos, rodar o braço, arremessar uma bola e realizar diversas atividades da vida diária com os membros superiores. Quando lesionados, são a causa mais comum de dores no ombro.

As lesões do manguito rotador podem acontecer de duas maneiras: por traumatismos e acidentes ou por degeneração. Esta última é a principal causa de lesão dos tendões, uma vez que, com o envelhecimento, ocorre um enfraquecimento natural dos tendões. Fatores genéticos e hábitos/antecedentes pessoais, tais como tabagismo, esforços repetitivos pelo trabalho ou esporte, diabetes, reumatismos, podem levar ao enfraquecimento do tendão, causando ruptura ou lesão.

 

Como saber se estou lesionado?

O principal sintoma da lesão é a dor que, frequentemente, se localiza na região mais lateral do ombro irradiando para o braço, e que piora com a movimentação do ombro. A dor pode ser mais intensa à noite, ao deitar e também pode irradiar para a parte de trás ou para frente do ombro. Em lesões maiores, pode ocorrer a perda de força e movimentação do ombro. Porém, se a dor estiver mais próxima ao pescoço, a origem do problema pode estar na coluna cervical, e não no ombro, sendo esta dor causada por irradiação de uma hérnia de disco ou de uma artrose cervical, por exemplo.

 

A ressonância magnética é o melhor exame para o diagnóstico da lesão do manguito rotador. Permite avaliar a presença ou não da lesão, seu tamanho e localização, auxiliando na definição do tratamento mais adequado. A ultrassonografia também pode diagnosticar a lesão, mas depende da experiência do médico radiologista.

 

Qual o melhor tratamento?

O tratamento mais adequado depende se a lesão é parcial ou completa, da idade do paciente, da intensidade da dor, da perda da função, do número de tendões acometidos, entre outros fatores. O importante é saber que as lesões dos tendões não cicatrizam sozinhas. No entanto, as lesões parciais do manguito rotador são geralmente de tratamento não cirúrgico.

 

Medicações anti-inflamatórias, repouso, gelo e o tratamento com fisioterapeuta podem ser indicados com o objetivo de diminuir a dor, melhorar o alongamento e fortalecer a musculatura ao redor do ombro. Apesar dessas lesões não cicatrizarem, os sintomas podem diminuir assim permanecerem por longo período. Para lesões em menos de 50% da espessura do tendão, o tratamento não cirúrgico é muito eficiente. O fortalecimento da musculatura poupa a solicitação dos tendões do manguito rotador, permitindo que a lesão não progrida.

 

Quando é preciso fazer cirurgia?

A cirurgia é indicada quando o tratamento conservador com reabilitação, realizado adequadamente por 3 a 6 meses, falhar, ou seja, o paciente persistir com dor e disfunção.  Para lesões maiores que 50%, muitas vezes, o tratamento fisioterápico pode não ser eficaz. Nas lesões completas ou transfixantes, a regra é o tratamento cirúrgico para a maioria dos casos. As lesões completas podem progredir de tamanho ao longo do tempo e, quando isto ocorre, pode tornar-se irreparável, ou seja, mesmo com a cirurgia o tendão pode não retornar ao seu local de origem ou mesmo ter um risco altíssimo de nova rotura.

 

Atualmente a maioria das lesões do manguito rotador é reparada por artroscopia (cirurgia por vídeo). Normalmente o paciente permanece internado no hospital por menos de 24 horas. O tratamento cirúrgico apresenta bons resultados na maioria dos casos, com melhora da dor e função.

 

 

 

Posso decidir não operar?

O tratamento não cirúrgico é reservado para pessoas com baixa utilização dos ombros (idosos não ativos) ou pessoas com contraindicações clínicas para esta modalidade de tratamento.  No entanto, se o paciente tem pouca ou nenhuma dor, a conduta pode ser conservadora, com a reabilitação adequada e evitando movimentos com o braço elevado, além do acompanhamento médico periódico para avaliar se há progressão da lesão ou piora dos sintomas.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Hérnia de disco começa com dores nas costas

June 22, 2018

1/3
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo