Risco de lesões com fogos de artifício

Por causa das comemorações das festas juninas, nessa época do ano ocorre aumento na venda de fogos de artifício. Porém, apesar de deixarem as festas mais coloridas e divertidas, é preciso muito cuidado, pois o mau uso dos fogos podem trazer graves consequências à saúde, como surdez, queimaduras e até amputações. Em ano de Copa do Mundo, a competição também contribui para o aumento da compra desses materiais e, claro, para o aumento dos riscos que envolvem essa prática.

Buscando alertar a população sobre os perigos que os fogos de artifício podem causar, o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão (SBCM) e a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) se uniram para lançar uma campanha de prevenção, com o poio do Ministério da Saúde e da Associação Médica Brasileira (AMB).

Casos

De 2008 a 2016, 4.577 pessoas foram internadas para tratamento por acidentes com fogos de artifício, com destaque para os estados da Bahia (961 hospitalizações), São Paulo (850) e Minas Gerais (640). Goiás é o 15º, registrando 82 acidentes no mesmo período. Roraima, com 16, Tocantins e Acre, ambos com apenas 13 internações, são os que registram menor número de lesões. Os dados são do Ministério da Saúde.

Apesar da venda proibida para menores, quase 25% dos feridos por fogos de artifício no Brasil têm menos de 18 anos. Dos casos registrados, 45% das pessoas têm entre 19 e 59 e quase 30% têm mais de 60 anos. Os ferimentos mais comuns são no rosto e nas mãos. Quando acometidas, as lesões nas mãos apresentam 10% de mutilações graves e levam a uma grande deficiência motora do membro, o que causa afastamento do trabalho por incapacidade e dificuldade na realização de atividades cotidianas.

Orientações do Corpo de Bombeiros para queima de fogos de artifícios:

- Comprar em locais de venda autorizados e checar a data de validade

- Jamais segurar nas mãos

- Apenas adultos que não tenham consumido bebida alcoólica devem acender explosivos em locais abertos

- Bombinhas devem ser acendidas e lançadas em local seguro sem pessoas ou animais

- Fogos maiores não devem ser segurados pelas mãos, mas sempre acesos em bases de ferro ou nas plataformas que vêm nas embalagens

- Caso não haja explosão, mesmo depois de acionar o foguete, o produto deve ser descartado

- Quando houver falha, deve-se colocar em um recipiente com água até ficar encharcado para evitar uma explosão tardia

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Instagram ícone social

COE - Centro de Ortopedia Especializada © 2018

Criado por Plena Estratégias Criativas

Diretor Técnico: Dr. Thiago Caixeta - CRM-GO 13291 / RQE 8070 - Médico Ortopedista e Traumatologista.